O Tocantins precisa e merece mais

quarta-feira, 9 de agosto de 2017 às 16:40

*Por Marcos Milhomens

Tocantins é uma das 27 unidades federativas do Brasil, sendo o seu mais novo estado. Está localizado a sudeste da Região Norte e tem como limites Goiás a sul, Mato Grosso a oeste e sudoeste, Pará a oeste e noroeste, Maranhão a norte, nordeste e leste, Piauí a leste e Bahia a leste e sudeste.

Ocupa uma área de 277 720,520 km². E a estimativa populacional é de aproximadamente 1.523,902 habitantes. Sua capital é a cidade planejada de Palmas. As maiores cidades do estado são respectivamente: Palmas, Araguaína, Gurupi, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. Juntas, estas cinco cidades abrigavam, em 2009, cerca de 42,22 por cento da população total do estado. O relevo apresenta chapadas ao centro, ao sul e ao leste, a Serra Geral a sudeste, a Serra das Traíras (ou das Palmas) ao sul, e a planície do Araguaia, com a Ilha do Bananal, nas regiões norte, oeste e sudoeste. São importantes o Rio Tocantins (incluindo o Rio Maranhão), o Rio Araguaia, o Rio Javaés, o Rio do Sono, o Rio das Balsas, o Rio Manuel Alves e o rio Paranã. O clima é tropical.

A economia se baseia no comércio, na agricultura (arroz, milho, feijão, soja, melancia), na pecuária e em criações. No setor terciário suas principais atividades estão concentradas na capital Palmas e também nas cidades que estão localizadas à beira da Rodovia Belém-Brasília.

Estas são informações facilmente encontradas no site Wikipédia, mas estou as descrevendo neste pequeno texto, para termos uma compreensão do quão importante é o nosso estado e mais precisamente do quão esquecida e desassistida é a região norte do Tocantins. O nosso tão querido “Bico do Papagaio”.

Historicamente, é uma região de luta. De um povo aguerrido e muito trabalhador. Isto é inquestionável.

Mas o “Bico do Papagaio” precisa e merece mais. Mais infraestrutura, mais saúde, mais educação, mais geração de emprego e renda, enfim, são pautas e reivindicações conhecidas e antigas. Mas por que nunca realizadas?

A resposta não é trivial. Não é simples. Mas é perfeitamente compreensível. O que falta e o que sempre faltou é PLANEJAMENTO político. Um projeto estadual de desenvolvimento com começo, meio e fim. Unindo o Tocantins que trabalha com o Tocantins que produz. Explorando suas potencialidades com planejamento estratégico. Temos um exemplo claríssimo de que é possível ao analisarmos a gestão da Prefeitura de Palmas. A capital hoje está, literalmente, na contramão da crise que assola o país. Isto é o resultado desta palavrinha tão conhecida dos políticos, mas pouquíssimo utilizada por eles, o tal planejamento.

É justamente disto, caros leitores, que o Estado Tocantins precisa.

A escolha, como sempre, estará em nossas mãos.

E por que não ir mais adiante e construir um parlamento, uma assembleia legislativa renovada, com cabeças novas e contemporâneas. Com espírito de luta e compromisso com o povo?

Novamente, está em nossas mãos.

O Tocantins precisa e merece mais.

Marcos MilhomensPublicitário e comentarista político.

-- Publicidade --

Comentários no Facebook