Augustinópolis: CEMVS apresenta plano de retomada às aulas presenciais

quarta-feira, 9 de junho de 2021 às 08:30
CEMVS. Foto: Divulgação.

AUGUSTINÓPOLIS – O Colégio Estadual Manoel Vicente de Souza (CEMVS) apresentou à Comissão Local em Saúde e Prevenção à Covid-19 (COLSAÚDE), nessa terça-feira, 8, a mais recente reestruturação do plano de retomada às aulas presenciais, que contém todas as ações que serão feitas pelo colégio para garantir a segurança dos estudantes e servidores durante a pandemia.

A comissão é composta por nove representantes de cada categoria da comunidade escolar (professores, alunos, pais de alunos, coordenação pedagógica, direção da unidade escolar, Associação de Pais e Mestres e Conselho Comunitário), além de integrantes do Conselho Tutelar e autoridade local da área de saúde. A comissão validou o plano e será responsável por acompanhar a rotina escolar, conferindo se as medidas sanitárias estão sendo cumpridas.

Publicidade

O plano apresenta o esquema de retorno gradual das aulas presencias conforme estabelece o Decreto nº 6257, de 14 de maio de 2021, com um planejamento dividido em três etapas distintas. A primeira é designada Modelo de Rotação, compreendida entre 03 de maio e 18 de junho, com a oferta de aulas somente on-line e material impresso, plantões tira-dúvidas e atividades postadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). A segunda etapa é o Ensino Híbrido Flex, de 21 a 30 de junho, com biblioteca e laboratório abertos para uso dos alunos, além de plantões tira-dúvidas presenciais com os professores disponíveis para atendimento na unidade escolar, tudo mediante agendamento. Os plantões On e Free continuam mantidos, assim como as aulas on-line, material impresso e atividades no AVA, mas professores e alunos podem frequentar a escola para os plantões.

A terceira etapa é o Modelo Virtual Enriquecido com o Presencial, que ocorrerá a partir do dia 2 de agosto, quando todos os ambientes da unidade estarão abertos de segunda a quinta-feira para receber os alunos. As aulas acontecerão de modo presencial e escalonado no período matutino e vespertino para evitar aglomerações e os plantões presenciais continuarão mantidos.

Nessa fase, prevista para 02 de agosto, os estudantes terão 3h20min diárias de aulas de segunda a quinta-feira, ficando a sexta e o sábado destinados à desinfecção do prédio. E no que se refere ao quantitativo de alunos que serão atendidos no modelo híbrido, 231 estudantes (com autorização da família) optaram pelo modelo, sendo que 118 serão atendidos no período matutino e 113 no vespertino. O aluno passará a ter aula presencial em um período e aula on-line no contraturno, utilizando o AVA (para quem tem acesso às mídias) e material impresso (para os que não têm acesso às mídias). Essa estratégia de atendimento é possível por ser o CEMVS uma escola de tempo integral. Assim, todos os que optaram pelo retorno presencial serão atendidos de forma segura. E quanto aos que não escolheram o retorno presencial, seus direitos continuam assegurados e garantidos, podendo as atividades ser realizadas a distância.

A estimativa é de que, no modelo híbrido, fique uma média de oito a nove alunos em cada sala de aula. “O plano é bastante detalhado e haverá uma equipe fiscalizando o cumprimento das normas. Acredito que o ambiente escolar será um dos lugares em que os alunos terão menos chance de contrair o coronavírus devido aos protocolos rigorosos de biossegurança que serão adotados. É importante assegurar o direito ao ensino presencial. Estudantes e servidores não estarão aglomerados”, disse o diretor do CEMVS, Victor Ribeiro, durante a reunião da COLSAÚDE.

O diretor enfatizou ainda que, para diminuir as chances de contágio dentro da unidade escolar, foi adotada a estratégia de aulas sem intervalo, o que evitará qualquer tipo de aglomeração. O lanche será servido por meio de escala e haverá horários variados e duas portarias para entrada dos alunos na escola com o objetivo de evitar o fluxo apenas em um portão.

“Eu gostei do planejamento, a proposta é muito boa. Acredito que vai dar certo porque foi tudo muito elaborado, bastante rígido”, completou Maria Iracélia, que é representante do Conselho Tutelar na COLSAÚDE.

(Ionnara Lima – Voz do Bico)

-- Publicidade --