PF indicia o ministro Juscelino Filho por corrupção passiva

sexta-feira, 14 de junho de 2024 às 09:11
216 Visualizações
Juscelino Filho alega inocência e critica investigações da PF. – Foto: Marcelo Camargo/ABr

A Polícia Federal indiciou o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil), por organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva em um inquérito que investiga suspeitas de desvio de emendas parlamentares para a pavimentação de ruas de Vitorino Freire, no Maranhão. A cidade é administrada pela prefeita Luanna Rezende, irmã do ministro. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo.

Segundo relatório da Controladoria Geral da União (CGU), Juscelino quando estava no exercício do mandato de deputado – ele está licenciado – indicou emendas que foram utilizadas para pavimentar vias. A CGU afirma que 80% da estrada foi custeada pela emenda de Juscelino e beneficiou as propriedades do ministro e de sua família. O documento é citado pela PF no indiciamento do ministro.

Publicidade

O Supremo Tribunal Federal (STF) investiga suspeitas de irregularidades em obras da Codevasf e encontrou mensagens entre Juscelino e Eduardo José Barros Costa, um dos investigados, conhecido como Eduardo DP. O relatório final da investigação está nas mãos do ministro Flávio Dino.

O ministro acusado ainda não se manifestou acerca do indiciamento, mas negou as irregularidades nas obras de pavimentação. Em nota enviada pelo Ministério das Comunicações, ele nega as critica as apurações da Polícia Federal.

“O indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito” declarou Juscelino. “Além disso, o encerrou abruptamente após apenas 15 minutos, sem dar espaço para esclarecimentos ou aprofundamento. Isso suscita dúvidas sobre sua isenção, repetindo um modus operandi que já vimos na Operação Lava Jato e que causou danos irreparáveis a pessoas inocentes”, destacou ele.

(CONGRESSO EM FOCO)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook