ATM articula em Brasília para que municípios tributem serviços de concessionárias de água e saneamento

quarta-feira, 12 de junho de 2019 às 17:40
Prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano e presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM). – Foto: Divulgação

TOCANTINS – Neste início de junho, a Associação Tocantinense de Municípios (ATM) expediu ofício, em que solicita alterações na Lei Complementar 116/2003 que dispõe sobre o ISS e a competência dos Municípios sobre o tributo. Em suma, a Associação pede que os serviços de tratamento e purificação da água, bem como os serviços de saneamento ambiental, que inclui coleta, recebimento, tratamento e esgotamento sanitário sejam tributados.

Caso a proposta seja acata e posteriormente aprovada pelos congressistas, empresas que atuam nesses serviços no Tocantins, como a Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), BRK Ambiental e Hidroforte, devem recolher o ISS sobre os serviços executados em cada Município, o que ampliaria as alternativas em busca de mais recursos aos cofres municipais.

Publicidade

A ATM destaca ainda que se aprovada, a proposta beneficiará diretamente os mais de cinco mil municípios brasileiros, que poderão tributar as concessionárias de agua e saneamento que operam em seus territórios.

A justificativa dada pela ATM reside na pouca participação dos Municípios no bolo tributário e o excesso de serviços que devem ser obrigatoriamente executados pelas prefeituras. “Em função dos avanços tecnológicos, muitos serviços que hoje são tributados pelo ISS, tem migrado para a informalidade, dificultando a arrecadação e reduzindo ainda mais a participação, dos municípios, na receita tributária”, explica o presidente da ATM e prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano.

A busca de novas fontes de receitas tornou-se há décadas uma agenda dos Municípios. Em 2016, os municipalistas conseguiram o ingresso da PLC 157 que propõem um deslocamento do local de pagamento do ISS para planos de saúde, operadoras de cartões e empresas que atuam com leasing e factoring. A proposta foi aprovada em 2017 e passou a vigorar em 2018, ao possibilitar que o imposto sobre esses serviços fiquem no local onde a operação é realizada, e não mais na sede da administradora desses serviços.

Luta

“Os Municípios precisam lutar diariamente por novas fontes de recursos para que as finanças fiquem equilibradas, sendo que muitas vezes os novos caminhos para ampliar a arrecadação estão próximos, na execução de serviços não tributados e executados dentro dos próprios Municípios” lembra Mariano.

O ofício e a minuta do PLC propostas pela ATM estão em análise pela Assessoria Legislativa do Senador Eduardo Gomes.

 

-- Publicidade --

Comentários no Facebook