Banca itinerante do Instituto de Identificação percorre Tocantins e já montou cerca de 6 mil processos de RG

sábado, 21 de setembro de 2019 às 08:52
Banca Itinarente atendimento em Lagoa da Confusão. – Foto: DICOM SS

TOCANTINS – O projeto Banca Itinerante do Instituto de Identificação da Secretaria de Segurança Pública atingiu nesta semana a marca de mais de seis mil pessoas atendidas.  Esse número compõe o resultado positivo do balanço parcial fechado nesta sexta-feira, dia 20, quando o Instituto atingiu a marca de 98.612 Registros Geral-RG emitidos. Mais conhecido como carteira de identidade, o RG também está sendo emitido por meio das Bancas Itinerantes, cujo objetivo é oferecer à população o acesso à montagem do processo e, assim, ter em mãos este importante documento de identificação.

A Banca Itinerante já percorreu dezenas de municípios, entre eles Pium, Palmas, Barrolândia, Santa Rosa, Abreulândia, Couto Magalhães, e Lagoa da Confusão. Nesta semana, o município contemplado foi Nova Rosalândia, onde foram atendidas 317 pessoas. Neste sábado, 21, a Banca Itinerante atenderá os moradores do Distrito de Luzimangues, em Porto Nacional. Os atendimentos vão acontecer na Escola Beira Rio, das 8 às 12 horas.  E a partir de segunda-feira, 23, a Banca estará em Muricilândia, na região norte do Tocantins. A previsão é atender 500 pessoas até a próxima sexta-feira, 27.

Ampliação

Sobre a importância da Banca Itinerante, a diretora do Instituto de Identificação do Tocantins, Naides Cesar Silva, diz que o trabalho oferecido evita que as pessoas deixem de buscar seu RG, “um documento tão importante, em razão de distância ou de falta de condições financeiras”. Ainda segundo ela, a Banca Itinerante amplia o atendimento à população na medida em que vai ao encontro das demandas do cidadão, além de favorecer pessoas que moram longe dos principais núcleos dos Institutos a solicitarem seus documentos.

A diretora atribui o número satisfatório de documentos emitidos neste ano ao empenho da equipe em implantar medidas para diminuir o prazo para emissão e ao intuito de oferecer o melhor para a sociedade. “Detectamos um problema de entregas de documentos e fizemos reuniões internas pra sanar os problemas que chegavam, implantamos um novo sistema, o PAPI que trouxe oportunidades para diminuir o prazo de entrega de emissão. Lançamos recentemente o agendamento online para evitar o transtorno em filas, por exemplo, e realizamos muitos mutirões para agilizar o que tinha em atraso”, disse Naides ao afirmar que a obrigação é fazer prevalecer o direito do cidadão.

(SSP/TO)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook