Lavrador de Araguatins vai a júri popular acusado de feminicídio da namorada

terça-feira, 30 de abril de 2024 às 08:34
1.192 Visualizações
Foto: Cecom

ARAGUATINS – A juíza da Vara Criminal, de Violência Doméstica e Juizado Especial Criminal de Araguatins, Nely Alves da Cruz, decidiu, na última sexta-feira (26/4), mandar a julgamento popular um lavrador  de 35 anos acusado de ter matado a namorada na noite de 16 de maio de 2022.

O crime ocorreu em uma estrada vicinal no Ribeirão da Mata, zona rural de Araguatins, e a vítima morreu um mês depois de internada em UTI na cidade de Araguaína, com múltiplas fraturas no tronco e politraumatismo,  incluindo um traumatismo na cabeça, conforme as informações do processo.

Publicidade

Testemunhas do caso, incluindo amigas e irmãs da vítima, relataram à juíza ao longo do processo que os dois não moravam juntos, mas namoravam há bastante tempo e tinham cinco filhos em comum. Os depoimentos indicam que a vítima foi retirada de um evento em um bar da cidade pelo namorado porque ele não permitia a participação dela na vida social, por sentir ciúmes da companheira.

De lá, foi levada em uma moto para uma zona de mata, local em que o réu a espancou com socos e golpes com capacete e a arrastou com o veículo. Conforme a denúncia,  após as agressões, o acusado a levou para a casa da mãe e, apenas no dia seguinte, a internou no hospital da cidade. Do local, ela foi transferida para Augustinópolis e depois para Araguaína, onde morreu.

As testemunhas afirmam no processo que o homem afirmava que a vítima havia caído da moto, havia dormido com ele à noite, mas apresentou piora pela manhã. Conforme o relato, desde o momento da internação, a vítima apresentava sangramento na boca, nariz e ouvidos e não reconhecia nenhuma pessoa de sua convivência até a morte.

No interrogatório feira pela juíza, o réu negou intenção de matar e disse que encontrou a mulher na estrada a caminho de casa e decidiu levá-la, mas, por estar embriagada, teria caído da moto e se ferido. Ainda conforme o réu, ela teria se zangado com o acidente e o teria atacado com o capacete, que ele usou no revide.

O lavrador responde por homicídio cometido por motivo torpe – ciúme – e com recurso que impossibilitou a defesa da vítima e, em razão do sexo feminino da vítima, o que configura feminicídio. A denúncia afirma que a mulher estava acuada em uma estrada vicinal, sem auxílio de qualquer outra pessoa, sofrendo  violência desproporcional pela forma e tamanho do acusado.

Na sentença que o manda a júri, a juíza diz que as provas do caso a levaram a admitir, provisoriamente, como circunstâncias do crime – as qualificadoras – ter sido praticaddo por motivo torpe, com recurso que dificultou a defesa e contra a mulher, por causa do sexo.  Para a juíza, existem motivos suficientes para o réu enfrentar a júri popular, modalidade de julgamento para quem é acusado de assassinato.

A decisão também mantém o réu preso, com mandado de prisão válido até 25 de abril de 2044. Ele está recolhido na Unidade Penal de Araguatins e sua defesa tem a opção de recorrer ao Tribunal de Justiça para tentar evitar o julgamento pelo júri, medida conhecida como impronúncia.

(ASCOM TJ-TO)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook