MPE denuncia envolvidos no assalto da agência do Banco do Brasil que levou terror à cidade de Gurupi

sábado, 19 de agosto de 2017 às 10:44
10 Visualizações
Cinco pessoas foram denunciadas. – Foto: Reprodução

O Ministério Público do Tocantins ofereceu, nesta sexta-feira 18, denúncia criminal contra cinco pessoas envolvidas no assalto à agência do Banco do Brasil de Gurupi, no mês de junho. Além de organização criminosa, os envolvidos devem responder por latrocínio, que resultou em lesão grave, furto qualificado e incêndio. As penas podem chegar a 41 anos de reclusão.

São relacionados na denúncia Mayllon Pereira dos Santos, vulgo Gaúcho; Marcos Miranda Pimentel, vulgo Marquinhos; Rodrigo Souza Luz, vulgo “Seu Zé”, Michel Andrade de Castro e Adriano da Silva Brandão. Dos cinco, Rodrigo e Adriano continuam foragidos e os demais se encontram presos temporariamente.

Publicidade

O assalto aconteceu no dia 11 de junho, por volta das 22h30, quando os referidos acusados, em companhia de outras pessoas, levaram uma grande quantia do SERET (Serviço Regional de Tesouraria). Por mais de duas horas, o bando aterrorizou a cidade usando de violência e grave ameaça, atingindo inclusive uma moça com disparo de arma de fogo, configurando o crime de latrocínio consumado.

Conforme o apurado na investigação policial, a ação dos bandidos foi planejada quinze dias antes dos fatos. Para que pudessem efetivar o roubo do banco, parte dos bandidos manteve 14 pessoas sob a mira de armas e as usaram como escudo humano nas proximidades. Além de destruir a agência, houve incêndio a veículo e saque a estabelecimento comercial situado próximo ao banco.

Segundo a denúncia, mais pessoas tiveram participação no crime, no entanto estas não foram identificadas e outras quatro morreram, posteriormente, em confronto com a polícia quando do cumprimento dos mandados de prisão.

Pedido de prisão preventiva

Aliado ao oferecimento da denúncia, o MPE requereu à Justiça que decrete a prisão preventiva de Mayllon, Michel e Marcos, que estão em prisão temporária. Diante das circunstâncias dos fatos, a prisão preventiva é necessária para evitar a prática de novas infrações penais e garantindo a ordem pública.

(MP-TO)

-- Publicidade --