Desmatamento na Amazônia teve novo recorde em abril, indica Deter

segunda-feira, 16 de maio de 2022 às 15:25
73 Visualizações
Apreensão de madeira nativa da história do Brasil, feita pela Polícia Federal na divisa do Pará com o Amazonas. – Foto: Divulgação/ Exército Brasileiro

*Por Congresso em Foco

A Amazônia perdeu o equivalente a 138.957 campos de futebol padrão FIFA para competições internacionais de floresta apenas em abril deste ano. Alertas do Deter, sistema do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontam para um total de 1.013 km² de áreas desmatadas entre dias 1º e 29 daquele mês. O estado do Amazonas foi quem mais sofreu, tendo registrado 34,2% dos alertas de desmatamento. O Pará figura em segundo lugar (28,3%) e Mato Grosso em terceiro (23,8%).

Publicidade

Os números comprovam um aumento de 74,5% em comparação ao mesmo período do ano passado, o pior da série histórica.

Na avaliação do coordenador de Amazônia do Greenpeace Brasil, André Freitas, a fragilização dos órgãos de fiscalização ambiental está na raiz destes números e tem como um dos principais resultados, a prescrição de crimes ambientais sem a punição dos criminosos.

“Com a certeza da impunidade, o que já está ruim tende a piorar caso projetos de leis que visam legalizar a grilagem de terras, flexibilizar o licenciamento ambiental e abrir Terras Indígenas para mineração sejam aprovados na Câmara e no Senado. É preciso de uma vez por todas frear este mecanismo que vem sucateando os órgãos públicos e investir em fiscalização ambiental se quisermos realmente manter a maior floresta tropical do mundo em pé”, disse.

Na recente divulgação do Global Forest Watch, o Brasil aparece como responsável pela perda de 40% do total de florestas tropicais no mundo em 2021.

Área dos alertas de desmatamento do programa Deter do mês de abril | Fonte: INPE

“As ações de comando e controle são muito importantes como um meio de promover o estancamento imediato da sangria do desmatamento e manutenção dos direitos humanos, mas para além disso, são necessárias ações coordenadas dos órgãos públicos nas três esferas e uma discussão séria e imprescindível sobre uma transição de modelo de desenvolvimento que perceba atividades capazes de conviver de forma harmônica com a floresta em pé”, disse Freitas.

A análise dos alertas ainda aponta que o maior polígono de desmatamento foi detectado foi em Altamira, no Pará, somando com 1.358 hectares. O segundo maior tem 1.337 hectares e está localizado em Lábrea, no Amazonas. O quinto colocado com 850 hectares está em Apuí, também no Amazonas. Os municípios de Altamira e Lábrea ocupam juntos o quarto lugar de maiores desmatamentos contínuos.

Congresso em Foco

-- Publicidade --