Sul Global: O poder contra o Ocidente

terça-feira, 7 de maio de 2024 às 10:39
602 Visualizações
Isidoros Karderinis é jornalista, romancista e poeta. Mídia social, Facebook: Karderinis Isidoros ou Twitter: isidoros karderinis. – Foto: Arquivo Pessoal

*Por Isidoros Karderinis

O termo “Sul Global” apareceu pela primeira vez em 1969, num artigo do ativista político Carl Oglesby no jornal católico liberal “Commonweal”, que argumentava que a Guerra do Vietname foi o culminar de uma história de “Dominação do Norte sobre o Sul Global”.  Foi então utilizado num conhecido relatório de 1980, intitulado “Norte-Sul: Um Programa para a Sobrevivência”, publicado por uma comissão independente liderada pelo ex-chanceler alemão Willy Brandt, e num relatório de 1990, intitulado “O Desafio para o Sul: O Relatório da Comissão do Sul”, emitido por uma comissão da ONU chefiada por Julius Nyerere, o então presidente da Tanzânia. No entanto, só foi amplamente difundido após o colapso da União Soviética em 1991, que também marcou o fim do chamado “Segundo Mundo”.

Publicidade

Na segunda metade do século 20, grupos como o Movimento dos Não-Alinhados, fundado em 1961, bem como o G-77, fundado nas Nações Unidas em 1964, procuraram promover os interesses colectivos dos mais pobres e libertados países dos pesados grilhões da colonialismo num mundo dominado por antigas potências imperiais.

O termo “Sul Global” refere-se a vários países ao redor do globo que estão localizados no hemisfério sul e denota uma mistura de elementos políticos, geopolíticos e econômicos compartilhados entre essas nações. Esses países também são descritos pelos termos “em desenvolvimento”, “menos desenvolvidos”, “subdesenvolvidos” ou “Terceiro Mundo”, termos que, no entanto, tendem a ser substituídos dele agora, já que os três últimos também contêm um significado pejorativo.

Em geral, estes países são mais pobres, têm um nível relativamente baixo de desenvolvimento socioeconómico e industrial, têm níveis mais elevados de desigualdade de rendimentos e sofrem de uma esperança de vida mais baixa e de condições de vida mais duras em comparação com os países do chamado “Norte Global”. , ou seja, as nações mais ricas localizadas principalmente na América do Norte e na Europa, com alguns acréscimos do Sul geográfico, ou seja, na Oceania (Austrália e Nova Zelândia), mas também em outros lugares (por exemplo, Japão).

Os países do “Sul Global”, que têm sido na sua maioria vítimas trágicas do imperialismo, do domínio colonial e da influência económica, social e política geralmente extensa por parte dos poderosos países ocidentais, sendo os países africanos os mais típicos, por exemplo, representam mais de 85% da população mundial, ou seja, a grande maioria da humanidade, e perto de 40% do PIB mundial.

Ao mesmo tempo, desde o início do século XXI, tem havido uma transferência de riqueza do Atlântico Norte para a Ásia e o Pacífico, como salientou o Banco Mundial. Até 2030, prevê-se que três das quatro maiores economias estarão no Sul Global, nesta ordem a China, a Índia, os Estados Unidos e a Indonésia. O PIB relativo ao poder de compra das nações do grupo BRICS dominado pelo “Sul Global” – Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul, Egipto, Etiópia, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Irão – já ultrapassa o equivalente ao grupo G7 do “Norte Global”.

O termo “Sul Global”, então, que não é estritamente geográfico (por exemplo, China, Índia e México estão no Hemisfério Norte), foi mais uma vez trazido à tona pela relutância de muitos países líderes na África, Ásia e América Latina apoiar a OTAN na guerra que está em curso desde 24 de fevereiro de 2022 na Ucrânia. A guerra, portanto, lançou os holofotes sobre o “Sul Global” como um factor importante na geopolítica.

Afinal, não há dúvida de que o termo “Sul Global” é uma frase unificadora importante e aparentemente incorpora um forte sentimento de insatisfação com as instituições internacionais estabelecidas que reflectem os interesses geopolíticos e económicos dos países ocidentais.

A invasão da Rússia trouxe à tona de forma acentuada a raiva global acumulada em relação ao Ocidente, quer por anos de colonialismo e práticas neocoloniais, quer por ambas as medidas com que os países ocidentais lidam com as violações dos direitos humanos em várias partes do mundo.

A esmagadora maioria dos países do “Sul Global” não impôs sanções à Rússia, que é um membro não ocidental do “Norte Global”. Alguns países até aumentaram o seu comércio com Moscovo, minando enormemente a eficácia das sanções ocidentais. Em 2022, por exemplo, o comércio da Rússia aumentou 68% com os Emirados Árabes Unidos e uns impressionantes 205% com a Índia.

A maioria dos países do “Sul Global”, ao mesmo tempo, critica Israel, vendo a guerra em Gaza como um desdobramento da ocupação israelita, da opressão dos palestinianos e da aplicação selectiva das regras do direito internacional. Devido à sua própria história, muitas pessoas em África e na América Latina vêem os acontecimentos através de lentes pós-coloniais.

A África do Sul, um dos estados economicamente mais poderosos e modernizados de África e, portanto, um modelo e porta-voz de muitos estados do continente, adoptou uma atitude extremamente crítica em relação a Israel, criticando a matança de crianças e civis inocentes. A Argentina, do outro lado do Atlântico, condenou os ataques das forças armadas israelitas às infra-estruturas civis e apelou à observância do direito humanitário internacional.

O “Sul Global”, portanto, apresenta-se como a única oportunidade de resistência dos países que o compõem e que se inspiram numa visão de mundo anticolonial e antiimperialista, contra a “nova ordem das coisas” que os EUA e as outras economias poderosas do Ocidente estão a promover vigorosamente. O “Sul Global” exibe simultaneamente um poder político e económico que os “países em desenvolvimento” e o “Terceiro Mundo” nunca tiveram.

Alguns destes Estados são fontes críticas de recursos minerais, cadeias de abastecimento e, por vezes, de inovações necessárias para o desenvolvimento global, o que lhes confere mais influência do que tinham no século XX.

Assim, vemos líderes abraçarem apaixonadamente este termo. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, disse anteriormente que o seu país se tornou “a voz do Sul Global”, enquanto o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, disse que o seu objectivo é fazer avançar “a agenda do Sul Global”.

Para encerrar, gostaria de enfatizar que o campo anti-internacionalista de países, que é chamado de “Sul Global”, não cedendo à vontade dos países ricos do Ocidente internacionalista, está se fortalecendo cada vez mais e marca o transição do mundo unipolar sob a liderança dos EUA e dos seus aliados para um mundo multipolar.

Isidoros Karderinis nasceu em Atenas em 1967. É jornalista, romancista e poeta. Estudou economia e completou estudos de pós-graduação em economia do turismo. Seus artigos foram publicados em jornais, revistas e sites de todo o mundo. Os seus poemas foram traduzidos para inglês, francês, espanhol, italiano, português, sueco, romeno, búlgaro e albanês e publicados em antologias poéticas, revistas literárias e colunas de jornais literários. Publicou oito livros de poesia e três romances na Grécia. Seus livros foram traduzidos e publicados nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália e Espanha.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Portal Voz do Bico. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para [email protected]

-- Publicidade --

Comentários no Facebook