Araguatins: Foragido da Justiça por suspeita de homicídio é morto em confronto com a polícia

terça-feira, 8 de janeiro de 2019 às 21:08
Foto; Ilustração/ Internet

Redação Voz do Bico*

ARAGUATINS – Kene da Silva Conceição, mais conhecido como Kemel, foi morto com um tiro na barriga após entrar em confronto com a Polícia Civil, nesta terça-feira (8), na região do Barreiro, zona rural de Araguatins. Kene é suspeito de ter matado Antenor Nascimento Silva Júnior, em setembro de 2018, na cidade de Axixá do Tocantins e tinha mandado de prisão em aberto.

“Kemel tentou se desvencilhar da abordagem legítima dos policiais, chegando, inclusive, a entrar em luta corporal e tentar tomar a arma de um deles. Após disparos pro alto em tom de advertência, o criminoso não parou, sendo necessário efetuar um disparo de arma de fogo em sua direção, que veio atingi-lo na região lateral da barriga”, disse a Polícia Civil.

Segundo Thyago Bustorff, o delegado responsável pelo caso, Kemel tinha mandado de prisão preventiva expedido desde 15 de outubro de 2018 e, desde então, vinha recebendo ajuda de parentes e conhecidos para se esconder na região do Barreiro, zona rural de Araguatins.

“Após intensas investigações com a finalidade de localizar o homiziado, a equipe da Deic, Núcleo Araguatins, se dirigiu a Associação Canto do Barreiro, zona rural de Araguatins, local onde estava escondido Kemel. Ao avistar os policiais, Kemel empreendeu fuga e entrou numa casa, sendo perseguido pelos policiais, ocasião em que o primeiro PC a alcançar o imóvel foi surpreendido pelo homicida, que tentou tomar-lhe a arma de fogo, entrando em luta corporal, fato presenciado por testemunhas”, relatou o delegado.

Durante a luta corporal entre Kemel e o policial, outro agente que participa da diligência efetuou um tiro para o alto em tom de advertência, mas não intimidou Kemel, que só parou após ser atingido pelo tiro de um terceiro policial. O tiro atingiu a barriga da vítima, que foi socorrido, mas chegou no hospital sem vida.

“A autoridade policial reitera que seus agentes policiais agiram de acordo com a legislação em vigor, atuando de maneira moderada e utilizando-se dos meios estritamente necessários para repelir o intento criminoso”, garante a Polícia Civil. (*Com informações da Polícia Civil)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook