Em greve, pilotos e comissários vão atuar com metade da força a partir de segunda

quinta-feira, 25 de novembro de 2021 às 15:00
Apenas metade dos pilotos e comissários de bordo estará disponível para voar a partir de segunda-feira. – Foto: Pixabay

BRASIL – Quem tem voo marcado para segunda-feira em diante deve se preparar para atrasos e cancelamentos. As empresas funcionarão com metade de seus pilotos e comissários de bordo, conforme decisão da categoria aprovada em assembleia nessa quarta-feira (24).

“Em cada dia de greve serão mantidos 50% dos aeronautas em serviço. Metade dos tripulantes estará disponível em um dia; a outra não. Os indisponíveis no primeiro dia serão os mais antigos em termos de senioridade. No dia seguinte, estarão indisponíveis os mais novos”, explicou ao Congresso em Foco o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), comandante Ondino Dutra.

Publicidade

Segundo ele, os pilotos e comissários brasileiros tiveram uma perda salarial média de 40% desde o início da pandemia, devido às medidas adotadas pelas empresas em troca da manutenção de empregos, em meio à queda inicial no número de passageiros. Ao mesmo tempo, ressalta o comandante, as companhias têm anunciado resultados financeiros positivos e feito aportes.

Os funcionários querem que as empresas reajustem os salários para compensar as perdas acumuladas com a inflação em 24 meses. As companhias que integram o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias, como Latam, Latam Cargo, Voepass, Gol, Azl e Itapemirim, defendem a manutenção dos salários, sem reajuste. Aceitam somente aumentar, de forma escalonada, a inflação acumulada em 12 meses de benefícios, como o vale-alimentação. A proposta foi rejeitada pelos pilotos e comissários.

“Além de apresentar proposta muito aquém de recompor as perdas salariais, já rejeitada pela categoria, o sindicato patronal ainda negou a ultratividade da atual CCT, ou seja, não garantiu a manutenção das cláusulas atuais da convenção em caso de um novo acordo não ter sido fechado até a data-base (1º de dezembro)”, diz o Sindicato Nacional dos Aeronautas em nota.

(CONGRESSO EM FOCO)

-- Publicidade --