Governo fortalece indústria do turismo com obras de infraestrutura espalhadas pelo Brasil

segunda-feira, 15 de abril de 2024 às 17:03
188 Visualizações
Foto: Arquivo MTur

Com crescimento no volume de repasses e incentivos financeiros, estados e municípios brasileiros estão ganhando cada vez mais apoio federal para o desenvolvimento da infraestrutura turística em todas as regiões. São 376 obras de infraestrutura no setor em andamento, apoiadas pelo Governo Federal.

Esse fomento é um dos focos do Ministério do Turismo. Em 2023, a pasta repassou R? 380 milhões para a conclusão de mais de 500 obras, em 214 municípios distribuídos em todo o Brasil. Desde o início do ano passado até março de 2024, já foram concluídas 634 obras.

Publicidade

São reformas de orlas, construção de centros de eventos e praças públicas que dão suporte ao desenvolvimento da atividade em determinadas áreas. Além disso, no ano passado foram iniciadas outras 279 obras de infraestrutura turística, promovidas com recursos do Governo Federal. “O investimento na infraestrutura turística desses locais visa não só a viabilização das obras em si, mas o desenvolvimento humano de cada região”, sublinhou o ministro do Turismo, Celso Sabino.

Entre os estados que mais receberam recursos da pasta estão a Bahia, que teve um investimento de R? 104,3 milhões, seguido de Minas Gerais (R? 57,8 milhões), Piauí (R? 44,1 milhões), Amazonas (R? 41,7 milhões) e Pará (R? 40,5 milhões).

COMUNICABR – Todas as informações sobre as obras e repasses federais para o setor do turismo, feitas a estados e municípios, passam a integrar a base do ComunicaBR, que ganha uma atualização e ampliação nesta sexta-feira, 12 de abril. Desde que foi colocada no ar, em dezembro de 2023, a ferramenta de transparência e comunicação pública já registrou mais de 1,5 milhão de consultas.

BONS RESULTADOS — Os investimentos direcionados para o turismo já impactaram na alta temporada no início de 2024, quando o setor registrou bons resultados no país. Em janeiro, o faturamento do setor atingiu R? 17,3 bilhões, o que representa aumento de 2,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

O crescimento foi apontado pelo levantamento mensal do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre os oito segmentos analisados, seis apontaram saldo positivo, com destaque para o grupo de locação de meios de transportes, que cresceu 16,5% e registrou faturamento de R? 2,2 bilhões.

Na análise por região, 20 das 27 unidades federativas registraram crescimento do faturamento em janeiro, na comparação anual. Dentre elas, as que apresentaram as maiores variações foram: Acre (22,7%), Rondônia (8,9%), Amazonas (8,7%) e Distrito Federal (7,2%). Já as que mais faturaram foram: São Paulo (R? 4,41 bilhões), Rio de Janeiro (R? 1,25 bilhões), Minas Gerais (R? 1,17 bilhão) e Santa Catarina (R? 868 milhões).

GERAÇÃO DE RENDA — Em fevereiro, turistas internacionais deixaram no Brasil US? 673 milhões, o equivalente a R? 3,4 bilhões na cotação do período. O valor foi divulgado pelo Banco Central (BC) na primeira semana de abril e é o mais alto da série histórica para o período. Em relação a fevereiro de 2023, quando os gastos dos visitantes estrangeiros foram de US? 530 milhões, o crescimento foi de 26,9%.

Fevereiro ainda teve o terceiro maior registro de entradas de turistas internacionais no país. Foram 833,3 mil visitantes do exterior — um crescimento de 10,2% em comparação a 2023, quando entraram no país 755,8 mil turistas. No acumulado de 2024, o registro de entradas de visitantes do exterior ficou em 1,79 milhão. A soma é 3,64% maior que o registrado no mesmo período de 2023 (1,7 milhão). A chegada de turistas do Chile e da França foram as que apresentaram o maior crescimento no mês, de 77,7% e 49,1%, respectivamente.

“São excelentes resultados, já nos primeiros dois meses deste ano, dando largada para um 2024 com uma atividade turística forte e que contribuirá, ainda mais, com a economia brasileira e com a geração de renda e de empregos”, apontou Sabino.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

-- Publicidade --

Comentários no Facebook