Brasileiro participa da descoberta de nova espécie de réptil voador

sábado, 30 de novembro de 2019 às 09:42
O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner – Foto: Zô Guimarães – 21.mai.2018 /Folhapress

O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, é um dos autores do artigo que anunciou nesta sexta-feira (29) a descoberta, no Líbano, de uma nova espécie de réptil voador: o pterossauro, o primeiro grupo de vertebrados a desenvolverem o voo ativo. A nova espécie recebeu o nome de Mimodactylus, em alusão ao Mineral Museum, Saint Joseph’s University em Beirute, no Líbano, instituição onde o material está guardado atualmente.

Junto ao nome do museu, foi acrescido dactylus, que em grego significa dígito e a espécie libanensis, em homenagem ao Líbano, país onde o exemplar foi encontrado. O Mimodactylus pertence a um novo grupo denominado Mimodactylidae, que reúne além de Mimodactylus, o chinês Haopterus gracilis.

Publicidade

Conforme o estudo dos pesquisadores, a nova espécie tinha cerca de 1 metro e 32 cm de uma ponta a outra das asas. O focinho era comparativamente largo e os dentes espaçados e pontiagudos.

O diretor revelou à Agência Brasil, que após ter sido encontrada por um libanês, a peça foi levada para o professor Michael Caldwell, da University of Alberta, no Canadá, que o convidou para participar da pesquisa. Caldwell é o segundo autor do artigo. Kellner disse que coordenou a pesquisa e fez a discrição desse material.

O fóssil foi encontrado entre rochas formadas há aproximadamente 95 milhões de anos, durante o Cenomaniano. Na época, o Líbano fazia parte de um imenso continente reunindo também a península arábica e a África. No aspecto científico, de acordo com Kellner, esse animal é o mais completo de uma região que tem poucos répteis voadores. “Ele é completo, tem um crânio, tem absolutamente todas as partes, o que a gente até agora nunca tinha encontrado”, contou na entrevista.

O diretor acrescentou que o animal pertence a um novo grupo e tem dentição característica, que poderia ser usada para se alimentar de insetos ou de crustáceos, o que acabou registrado no artigo. “A gente optou por crustáceos, porque este animal é bem largo na frente do seu bico, o que o diferencia de todos os outros pterossauros”, completou.

Para o pesquisador, a descoberta mostra que a ciência ainda está engatinhando no estudo dos répteis alados, que há milhões de anos povoavam esse pedaço do mundo. “Esse animal viveu 95 milhões de anos quando aquela região toda era um arquipélago com várias ilhas das quais essa parte do Líbano era uma delas”, afirmou.

O artigo tem participação de pesquisadores de vários países, sendo que três são do Museu Nacional. Além do diretor, é assinado pelo aluno espanhol de doutorado do Programa de Pós-gradução em Zoologia do Museu Nacional, Borja Holgado e pela paleontóloga e pesquisadora da Universidade Federal de Pernambuco e colaboradora do Museu Nacional, Juliana Sayão.

Museu Nacional

Na visão de Kelnner, a descoberta demonstra também que o Museu Nacional está vivo nas pesquisas com referências mundiais. Ele revelou ainda que vai permanecer nas pesquisas que virão em seguida para novas descobertas. “O Museu Nacional, apesar de toda a tragédia [do incêndio], continua podendo gerar conhecimento. É uma revista importante do grupo Nature envolve uma pesquisa com todas as pessoas identificadas. A gente tem esperança que no futuro com as novas exposições, tenha um desses animais em vida nas nossas exposições”, concluiu.

(AGÊNCIA BRASIL)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook