Correr (mesmo que pouco) pode reduzir risco de morte por qualquer causa

quinta-feira, 7 de novembro de 2019 às 17:16
Correr, mesmo que percursos curtos, pode reduzir risco de morte por qualquer causa (Foto: skeeze/Pixabay)

Notícia boa para quem não consegue correr longas distâncias (ou não é tão fã assim da modalidade): pesquisadores da Universidade Victoria, na Austrália, descobriram que percorrer um percurso curto já é capaz de reduzir significativamente o risco de morte – por qualquer causa. A descoberta foi publicada no periódico científico British Journal of Sports Medicine.

Para chegar a essa conclusão, os estudiosos revisaram evidências apresentadas em conferências e publicações acadêmicas. Eles procuraram estudos que faziam uma associação entre corrida e o risco de morte por todas as causas, incluindo doenças cardiovasculares e câncer.

Publicidade

Foram selecionados 14 estudos, que incluíam um total de 232.149 pessoas, cuja saúde foi rastreada por períodos de 5 a 35 anos. Durante esse tempo, 25.951 dos participantes morreram.

Fazendo uma combinação dos dados, os pesquisadores descobriram que qualquer quantidade de corrida estava associada a um risco 27% menor de morte por todas as causas para ambos os sexos em comparação com não correr. Além disso, eles associaram a um risco 30% menor de morte por doenças cardiovasculares e a 23% menor por câncer.

O benefício foi visto mesmo em pequenas quantidades como, por exemplo, uma vez por semana ou menos, com duração inferior a 50 minutos e a uma velocidade abaixo de 8 quilômetros por hora. Aumentar a “dose” do exercício não foi associado a uma redução adicional do risco de morte por qualquer causa.

Os pesquisadores alertam, porém, que o número de estudos revisadps foi pequeno e seus métodos variaram consideravelmente, o que pode ter influenciado os resultados. Ainda assim, eles confirmam que qualquer quantidade de corrida é melhor do que nenhuma para melhorar a saúde.

(REVISTA GALILEU)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook