Lúpulo encontrado na cerveja poderia ajudar a prevenir câncer de mama, de acordo com estudo

segunda-feira, 15 de maio de 2017 às 11:33
39 Visualizações

Para as mulheres que apreciam cerveja, os resultados de uma pesquisa realizada recentemente podem servir como um bom motivo para brindar. Ela sugere que o lúpulo – a flor que faz a cerveja e lhe dá o característico sabor – pode ajudar a prevenir o câncer de mama. A planta já foi associada anteriormente aos níveis hormonais, ajudando a aliviar os sintomas após a menopausa e aumentando o metabolismo do estrogênio – principal hormônio feminino.

Agora, no entanto, especialistas da Universidade de Illinois, em Chicago, afirmaram que o mesmo processo poderia ativar produtos químicos que impedem o desenvolvimento de tumores, conforme informações divulgadas pelo jornal inglês Daily Mail. Para chegar a essa constatação, os pesquisadores aplicaram o lúpulo extraído a duas linhas diferentes de células das mamas, a fim de monitorarem seu efeito sobre o metabolismo do estrogênio dessas células – o metabolismo lento do hormônio já havia sido associado ao aumento do risco de câncer de mama.

Publicidade

Como esperado, os pesquisadores descobriram que um potente composto presente no lúpulo – 6-prenilnaringenina ou 6-PN – aumentou a taxa de metabolismo do estrogênio, aumentando a via de desintoxicação das células. “Precisamos continuar a explorar esta possibilidade, mas nossos resultados sugerem que 6-PN poderia ter efeitos anticâncer”, disse a principal pesquisadora e professora Judy Bolton. A atividade estrogênica do 6-PN é tão alta que podem até mesmo causar interrupções em ciclos menstruais. Consequentemente, a flor se tornou um suplemento popular para as mulheres que estão passando pelo período da pós-menopausa, que sofrem de calores intensos, suores noturnos e insônia – resultado de uma desaceleração dramática da atividade estrogênica.

Segundo Bolton, a investigação das equipes mostrou que o lúpulo seria particularmente eficaz para prevenir o câncer de mama em mulheres submetidas a tratamentos de reposição hormonal (TRH) durante a menopausa. Só nos Estados Unidos, onde foi realizado o estudo, estima-se que 246.660 novos casos de câncer de mama invasivos e outros 61.000 não invasivos sejam esperados este ano, de acordo com a American Cancer Society. As mulheres são aconselhadas a fazerem regularmente os autoexames, além das mamografias.

Os principais sinais a serem notados são inchaços na totalidade ou parte da mama, dores, irritações na pele ou peito, anormalidades nos mamilos, vermelhidão, descamação ou espessamento da pele do peito ou mamilo, entre outras. Ao notar qualquer um desses sintomas é essencial procurar ajuda médica.

(JORNAL CIÊNCIA)

 

-- Publicidade --