Norte-americano tira selfie com obra rara de museu e depois a rouba

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018 às 17:23
0
Homem furtou dedão esquerdo de estátua da coleção Exército de Terracota, estimada no valor de U$ 4,5 milhões. – Foto: Museum Of The Terracotta Army

Grande parte da história da humanidade está armazenada em museus espalhados ao redor do mundo. São espaços como esses que nos ensinam de onde viemos, como éramos e nos garantem traçar um panorama para onde vamos. Porém, parece que tem gente que não entende essa proposta.

É o caso de um homem do estado de Delaware, nos Estados Unidos. Conforme informado por autoridades federais, o indivíduo chamado Michael Rohana, 24 anos, decidiu visitar o Instituto Franklin, na Filadélfia, e levar consigo um estátua do museu como souvenir.

Enquanto passeava pelo museu durante uma “Ugly Sweater Party” (espécie de festa e tour guiada no museu), Rohana adentrou em uma porta destrancada e acessou a exposição “Guerreiros de Terracota do Primeiro Império”. 

Foi assim que ele chegou próximo à estátua chinesa de 2 mil anos de idade, tirou uma selfie com o artefato e pegou um dedão esquerdo do guerreiro para si.

Uma semana depois do episódio, a equipe do museu deu falta do artefato e acionou o FBI. O órgão buscou os registros das câmeras da sala da exposição, além de checar a cena do crime: as digitais de Rohana estavam em toda a área.

Felizmente, os policiais conseguiram localizar o indivíduo e capturar o dedo furtado, que valia mais de U$ 5 mil.

O artefato ficou guardado dentro de uma gaveta na casa de Rohana por aproximadamente três semanas – definitivamente, essa não era a melhor forma de armazenar o dedo da estátua do guerreiro conhecido Cavalryman (Homem Cavaleiro, em tradução para o português).

O Cavalryman foi um dos membros do exército de terracota, combatentes do primeiro imperador da China, Qin Shi Huang.

As estátuas foram descobertas em 1974, ao serem desenterradas por um fazendeiro chinês. Elas são uma das maiores descobertas arqueológicas da história e uma das maiores atrações turísticas da China.

O desfecho de todo esse episódio é que o Homem Cavaleiro ganhará seu dedão de volta e terá um final feliz. Para Michael Rohana, o destino não será tão fortuito: ele foi condenado pelo roubo de um artefato de museu, por dissimulação e pelo transporte intermunicipal de um objeto furtado.

(REVISTA GALILEU)

-- Publicidade --
-- Publicidade --

Comentários no Facebook