Perigo extraterrestre? Cientistas revelam bactérias que se adaptam para sobreviver na EEI

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019 às 18:01
Foto: NASA

Um novo estudo realizado por pesquisadores norte-americanos mostra que os micróbios a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI) se modificam para se adaptar às difíceis condições espaciais.

A análise, executada por pesquisadores da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade Northwestern, nos EUA, afirma que as bactérias a bordo da EEI se modificam para se adaptar às severas condições no espaço, não representando necessariamente uma ameaça para a tripulação da estação.

A pesquisa, liderada pela professora Erica Hartmann, descobriu que as bactérias na EEI continham genes diferentes de seus homólogos terrestres, mas isso não quer dizer que elas sejam mais prejudiciais à saúde humana.

Apesar dos resultados trazerem boas notícias, isso não significa que as doenças não podem se espalhar em estações ou espaçonaves.

“Onde quer que você vá, você leva seus germes consigo”, explicou a pesquisadora.

“Os astronautas são pessoas extremamente saudáveis […] mas não sabemos o que vai acontecer”, afirmou, acrescentando que não há como saber se um micróbio será transmitido para outras pessoas, caso alguém com uma infecção seja colocado em uma bolha fechada no espaço.

Segundo Hartmann, como as especulações sobre o envio de pessoas a Marte tornam-se cada vez mais sérias, há um crescente interesse em compreender o comportamento dos micróbios em ambientes fechados.

As preocupações referentes às mutações dos micróbios na EEI surgiram em novembro do ano passado, quando um grupo de cientistas descobriu que esses microrganismos são resistentes a múltiplos medicamentos.

(sputniknews)

-- Publicidade --
-- Publicidade --

Comentários no Facebook