Pode guardar panela com comida na geladeira?

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021 às 08:40
Imagem: Priscila Barbosa

Como você guarda na geladeira as sobras do almoço ou do jantar? Coloca tudo em potes de plástico ou vidro ou deixa nas panelas mesmo? Se escolheu a segunda opção, melhor rever o hábito. Apesar de ser mais prático, afinal, na hora de aquecer é só levar para o fogão, saiba que há riscos para o utensílio, à comida e, pior, à saúde.

Em se tratando do produto, a explicação é que certos tipos de preparações, como as ácidas (um exemplo é o molho de tomate), podem desgastar e corroer o seu revestimento, diminuindo a vida útil. No quesito alimento, como a tampa da peça não veda hermeticamente, existe a possibilidade de ocorrer infiltração de oxigênio e liberação de vapor —às vezes até vazamento—, resultando em adulteração no sabor, aroma e textura do que está dentro dela.

Publicidade

Vale destacar que, mesmo não sendo tão comum, a falta de vedação, aliada a sujeira “invisível” acumulada na panela pelo excesso de uso e aos microrganismos presentes na própria geladeira, também favorece a contaminação da comida, com possibilidade de provocar intoxicação em quem a consumir.

Antiaderentes e metais da panela são liberados nos alimentos?

E por falar em contaminação, um ponto que gera receio e bastante discussão em relação as panelas é o de que os antiaderentes e os metais (alumínio, cobre, ferro e aço inox) utilizados na sua confecção são passados para o alimento, gerando malefícios à saúde, que vão desde distúrbios gástricos até câncer e demências.

Os profissionais consultados por VivaBem dizem que isso pode realmente acontecer, mas depende de alguns fatores: o tipo de comida que será preparada, o tempo de contato e, em especial, o estado de conservação e a qualidade do produto.

Por exemplo, no caso do alumínio e do cobre, ingredientes com alta quantidade de água e mais ácidos, e que demoram para serem cozidos, estimulam a transferência se o utensílio estiver mal preservado, sendo que o excesso de alumínio no organismo está associado a doenças degenerativas, como Alzheimer, enquanto o acúmulo de cobre provoca alterações gastrintestinais, renais e osteoarticulares.

Em se tratando dos antiaderentes —o mais conhecido é o teflon—, a queima do material quando o fogo está muito alto ou quando há ranhuras ou rachaduras pode liberar gases tóxicos que irritam as mucosas e estão relacionados ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer.

As panelas de aço inox, por sua vez, são fontes de níquel, metal cuja ingestão está ligada a alergias e doenças respiratórias. Já as de ferro fundido liberam ferro, substância importante para o tratamento da anemia, mas que em demasia faz mal para quem sofre de problemas cardíacos.

Na lista dos materiais que têm menos ou nenhuma interação com os alimentos estão cerâmica, barro, pedra-sabão, vidro e titânio. Independentemente da escolha, o importante é utilizar o produto conforme as instruções do fabricante e, se houver qualquer dano visível, o melhor a fazer é substituí-lo, já que os reparos não são recomendados.

Os cuidados com a conservação também são fundamentais. A recomendação é só lavar com detergente ou sabão neutro e esponja macia, secar na sequência —em se tratando especificamente da panela de ferro, a secagem deve ser na chama do fogão— e nunca raspar o fundo, portanto, na hora de mexer os alimentos, dê preferência para os utensílios de pau, plástico e silicone.

Como armazenar os alimentos corretamente na geladeira

Para evitar problemas, o jeito certo de guardar os alimentos cozidos na geladeira é em potes de vidro, silicone ou plástico, e estes últimos devem ser livres de bisfenol (PBA), um composto químico que também é prejudicial à saúde —quando em grandes quantidade no organismo, pode causar alterações no sistema endócrino e reprodutor e alguns tipos de câncer.

Os recipientes precisam ser fechados hermeticamente e não apresentar rachaduras ou qualquer quebrado. O ideal é que sejam colocados na parte intermediária do refrigerador ou então no freezer, e ambos têm de estar na temperatura certa (respectivamente, entre 4ºC e 5ºC e por volta de -15ºC).

Uma dúvida que muita gente tem é se a comida pode ir quente para o refrigerador. Do ponto de vista microbiológico, tudo o que é manuseado tem algum tipo de contaminação, então, o quanto antes ela for armazenada, menor a chance dos microrganismos se proliferarem.

Fontes: Guilherme Wolf Lebrão, professor de engenharia dos materiais do Instituto Mauá de Tecnologia (SP); Jorge Luiz Araújo Filho, biólogo, expert em biossegurança e professor do curso de medicina da Uninassau (Centro Universitário Maurício de Nassau) e da Unifip (Centro Universitário de Patos); e Lícia D’ Ávila, nutricionista clínica e funcional e especialista em imunologia.

(UOL/VIVA BEM)

-- Publicidade --