Remédios dietéticos para humanos podem tirar o apetite do Aedes aegypti

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019 às 10:22
A fêmea do mosquito Aedes Aegypti (Foto: Flickr/Us Department Of Agricultre/Creative Commons)

Os mosquitos estão tirando seu sono, sedentos por sangue? Uma saída pode ser colocá-los em dieta. Não significa inscrever o pernilongo no Vigilantes do Peso, mas dar aos insetos remédios para emagrecer feito para humanos. Um grupo dos Estados Unidos descobriu que os medicamentos voltados para a redução do apetite em pessoas têm efeito semelhante com os mosquitos.

De acordo com publicação na revista Cell, as pesquisas foram realizadas com o Aedes aegypti, responsável pela transmissão de doenças como dengue e zika. As fêmeas dessa espécie – que são as únicas que mordem – são atraídas pelos seres humanos porque o sangue contém a proteína de que precisam para produzir seus óvulos.

Quando os pesquisadores deram aos mosquitos uma solução salina contendo medicamentos dietéticos, ficaram surpresos ao descobrir que o apetite dos insetos despencou, assim como acontece com humanos.

Para medir isso, eles penduraram um pedaço de meia de nylon com odor corporal pertencente à autora do estudo, Laura Duvall, na frente deles. Os pesquisadores então testaram todos os receptores de neuropeptídeos dos mosquitos com os medicamentos e descobriram qual deles era o responsável por controlar e desligar o apetite de um mosquito.

O estudo pode ajudá-los a descobrir onde é produzido no corpo do inseto e como ele é ativado para controlar o comportamento alimentar. Os pesquisadores também identificaram um composto diferente, em vez de um remédio de dieta humana – que não seria adequada para uso na natureza – que poderia ativar e desativar o apetite do inseto.

“Estamos começando a ficar sem ideias para lidar com insetos que disseminam doenças, e essa é uma maneira completamente nova de pensar sobre o controle de insetos”, disse um dos autores do estudo, Leslie Vosshall, chefe do laboratório de neurogenética e comportamento da Universidade Rockefeller, em entrevista à BBC.

“Os inseticidas estão falhando por causa da resistência, não encontramos uma maneira de fazer melhores repelentes, e ainda não temos vacinas que funcionem bem o suficiente contra a maioria das doenças transmitidas por mosquitos para serem úteis.”

Duvall ressalta ainda que o foco no apetite dos mosquitos é uma boa ideia, mas não é uma tentativa de erradicar os insetos, já que os efeitos das drogas não são permanentes.

(REVISTA GALILEU)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook