Surtos de sarampo aumentam 300%, segundo OMS

quarta-feira, 17 de abril de 2019 às 10:05
Campanha de vacinação contra o sarampo no Paraguai. (Foto: Divulgação Opas)

Surtos de sarampo aumentaram 300% no mundo no último ano, segundo novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ao que tudo indica, a razão para o fenômeno é a falta de vacinação, já que a doença se espalha rapidamente entre pessoas não protegidas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) relata que os casos cresceram no mundo todo, inclusive em países nos quais a maior parte da população é vacinada, como nos Estados Unidos. Na África, o crescimento de casos entre 2018 e 2019 foi de 700%. Nas Américas, 60%. Na Europa, 300%. No Mediterrâneo Oriental, 100%. No Sudeste Asiático e no Pacífico Ocidental, 40%.

Países como República Democrática do Congo, Etiópia, Geórgia, Cazaquistão, Quirguistão, Madagascar, Mianmar, Filipinas, Sudão, Tailândia e Ucrânia estão entre os principais afetados. “A propagação da enfermidade tem causado várias mortes, principalmente entre crianças pequenas”, afirma a ONU em nota.

Na Ucrânia, Vasyl, de oito anos, Roman, de sete, Valentyna, de nove, Ivan, de sete, e Misha, de 17, aguardam para receber vacinas contra o sarampo.  (Foto: Divulgação UNICEF)

Brasil
No país, o número de casos parece ter caído. Entre janeiro e março do ano passado, 82 ocorrências foram confirmadas, já no mesmo período de 2019 esse número caiu para 48. O motivo para o reaparecimento da doença no país, de acordo com o Ministério da Saúde, é a chegada de refugiados venezuelanos.

Segundo a pasta, no ano passado houve surtos em 11 estados, com um total de 10.326 casos confirmados. Já em 2019 apenas dois estados tiveram confirmações de sarampo: Amazonas (5) e Pará (23). Além disso, constataram-se 20 ocorrências relacionados a um surto da doença em um navio de cruzeiro em Santos (SP) — não há relação entre os casos ocorridos na embarcação e no Norte do país.

O aumento de diagnósticos nos últimos anos fez com que o Brasil perdesse o certificado de erradicação da doença, o que é preocupante. Sobre o assunto, as autoridades reforçam a necessidade da vacinação. Segundo o Ministério da Saúde, é a única maneira de prevenir a doença. Hoje a vacinação é feita em suas doses, uma tríplice viral, aos 12 meses de idade, e outra tetra viral, aos 15 meses.

Contudo, a prevenção pode ser feita mesmo em adolescentes e adultos, de acordo com a idade e a orientação médica.

(REVISTA GALILEU)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook