Acadêmicas e professor da Unitins de Augustinópolis são premiados em feira nacional de ciência

quinta-feira, 11 de abril de 2019 às 17:29
44 Visualizações
Catarina durante apresentação na Febrace. (Foto: Arquivo Pessoal)

AUGUSTINÓPOLIS – Dois projetos de acadêmicas do 5º período de Enfermagem da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), Câmpus Augustinópolis, foram premiados na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), realizada em São Paulo. Catariana Melo recebeu como prêmio uma credencial para a Muestra Científica Latinoamericana, no Peru. Já Rafaela Almeida foi credenciada para participar da Genius Olympiad, em Oswego (EUA).

Com o projeto Da biotecnologia à neurobiologia: análise do potencial biotecnológico de genótipos da oenocarpus bacaba na prevenção e redução neurodegenerativa de Alzheimer, a acadêmica Catarina Melo e orientador, professor doutor Zilmar Timóteo Soares, analisam in vitru o potencial biotecnológico da bacaba na quebra da proteína beta amilóide, que é justamente a causadora do Alzheimer.

Publicidade

Conforme a Estudante, a pesquisa proporciona acesso a todas as classes sociais, já que é viável economicamente. Sobre a participação na Febrace, Catarina disse que foi uma experiência enriquecedora. “Você encontra pessoas de todo o Brasil em busca de um único objetivo: a ciência. A experiência é inexplicável, são trabalhos espetaculares e só de estar ali podendo apresentar o meu trabalho já é extremamente gratificante”, declarou.

Já Rafaela Almeida participou com o projeto Manejo sustentável da Mauritia flexuosa para desenvolvimento socioeconômico. A pesquisa analisa um fruto comum em várias regiões do Brasil e como seus derivados poderiam mudar a realidade de uma comunidade: o buriti.

“É também conhecido como a árvore da vida, pois dele tudo pode se fazer para a sobrevivência humana. A experiência foi enriquecedora em todos os aspectos. Tive apoio de pessoas maravilhosas, como meu orientador e amigos que ajudaram antes, durante e depois da feira. O que ficou em mim foi o desejo de que todos um dia pudéssemos vivenciar experiências como essa, pois a Febrace é um ambiente em percebemos que realmente a ciência e a educação podem mudar o mundo”, contou Rafaela.

Febrace

Promovida pelo Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), a mostra deste ano contou com 332 projetos de Ciências e Engenharia desenvolvidos por 751 estudantes do ensino fundamental, médio e técnico de todo o País. O processo de seleção dos finalistas envolveu mais de 72 mil estudantes de 27 unidades da federação. (Redação Voz do Bico, com informações da Assessoria)

-- Publicidade --