Prefeitura de Augustinópolis e Governo do Estado discutem funcionamento da UPA

sábado, 3 de março de 2018 às 16:00
Divulgação / Assessoria

Alan Milhomem / Voz do Bico 

AUGUSTINÓPOLIS – Uma reunião essa semana entre a equipe de saúde de Augustinópolis e a comitiva do Governo do Estado, em Palmas, discutiu o funcionamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Augustinópolis. De acordo com o prefeito Júlio Oliveira (PRB), a equipe local apresentou todo o planejamento de funcionamento da unidade de saúde e o principal ponto de discussão foi a equipe de funcionários para trabalhar na UPA.

Publicidade

Ainda de acordo com o prefeito, a vice-governadora, Cláudia Lelis, e o subsecretário de Saúde do Estado, sinalizaram positivamente para a parceria entre a prefeitura e o Estado para colocar em funcionamento a UPA de Augustinópolis. “Ao fim do dia a esquipe do Estado sinalizou positivamente diante do que foi apresentado e acreditamos que até o meio do ano a UPA estará funcionando com parceria com o Governo do Estado”, afirmou.

De acordo com o secretário de Saúde, Gedeão Alves, a UPA será referência para atendimento de nove municípios e deve ter um gasto médio, por mês, de 400 mil reais. Esse foi outro ponto discutido na reunião, pois, segundo ele, o Ministério da Saúde entra com contra partida de R$ 100 mil, a prefeitura de R$ 50 mil e o Estado com mais R$ 50 mil, o que daria apenas R$ 200 mil e não seria suficiente para manter a unidade.

“Nessa reunião discutimos como o Estado pode nos ajudar financeiramente e com servidores. Ele já tem uma contrapartida obrigatória, mas discutimos a possibilidade de uma ajuda a mais para poder colocar a UPA em funcionamento e manter”, disse o secretário, destacando que o maior gasto da unidade será com a folha de pagamento dos servidores, pois, por plantão, deve ter, no mínimo, um médico, três enfermeiros, sete técnicos e mais um assistente social, mais o pessoal da parte administrativa.

Ainda segundo o secretário Gedão Alves, a estrutura física da Upa está pronta desde 2016 e a parte de mobiliário já tem 80%. O principal gargalo, segundo secretário, são os recursos para custear funcionários, medicamentos e toda a parte administrativa. Agora a prefeitura aguarda o estudo que a Secretaria de Saúde está fazendo que definirá a ajuda do Estado, para mobilizar os prefeitos locais e a UPA entrar em funcionamento.  “Nós precisamos do apoio dos prefeitos, apoio esse da melhor maneira que eles puderem contribuir”, destacou o prefeito Júlio Oliveira.

Participaram da reunião em Palmas a vice-governadora, Claudia Lelis, o subsecretário de Estado da Saúde, Marcos, e a diretora de Recursos Humanos da Saúde, Marcia Valéria. Do município, além do prefeito, estiveram presentes o secretário de Saúde, Gedeão Alves, e o diretor de Controle Interno, Pedro Amaro.

-- Publicidade --