Advogado Fábio Alcântara fala sobre novo processo de cassação contra o prefeito Júlio Oliveira e comenta sobre o atual cenário político de Augustinópolis

segunda-feira, 9 de março de 2020 às 12:00
Fábio Alcântara. Foto: Paulo Palmares/ VB

AUGUSTINÓPOLIS – Diante da abertura de um novo processo de cassação contra o prefeito de Augustinópolis, Júlio Oliveira, o advogado Fábio Alcântara, que realiza a defesa do caso, foi entrevistado pelo Portal Voz do Bico para explicar quais são as implicações dessa acusação, que já é a quinta em desfavor do prefeito de Augustinópolis em pouco mais de um ano.

Os motivos das denúncias são supostas práticas de improbidade administrativa e de infrações político-administrativas na sua gestão.

Publicidade

No ano passado, foram abertos os processos de n° 001/2019, 002/2019, 003/2019 e 004/2019. Agora, tramita na Câmara Municipal o processo n° 001/2020.

“Os suplentes retornaram ao mandato e passaram a instaurar, de forma ostensiva, uma série de processos administrativos no claro intuito de alijar o senhor Júlio Oliveira do exercício do mandato”, disse o advogado.

Ele afirma que o processo atual, o n° 001/2020, é irregular por trazer argumentos já sanados do processo n° 003/2019. Afinal, este foi arquivado pela Câmara quando os vereadores titulares assumiram novamente o mandato em janeiro. Veja o vídeo com a entrevista do Dr. Fábio Alcântara.

Com a volta dos vereadores substitutos, estes abriram, segundo Fábio Alcântara, um novo processo com as mesmas acusações. Ele lembra que foi fixada uma multa de R$ 500,00 diários para cada um dos vereadores caso eles realizassem acusações já arquivadas contra o prefeito.

Fábio Alcântara acredita que a instabilidade política é prejudicial, uma vez que ela altera a rotina administrativa e causa insegurança para as pessoas que pretendem investir na cidade. Exemplos disso são alguns deputados que já afirmaram ter dificuldade em encaminhar emendas parlamentares para o município, bem como implementar o curso de medicina no câmpus Augustinópolis da Universidade Estadual do Tocantins – Unitins ou uma extensão de universidade público/privada que demonstrou interesse em implantar uma extensão do seu curso de medicina na cidade e no entanto, devido a instabilidade política as negociações não avançaram.

O advogado também disse que já espera uma nova cassação do mandato do prefeito, que provavelmente será rejeitada pela Justiça.

(Portal Voz do Bico)

-- Publicidade --