Para ATM, criação da UFNT significa desenvolvimento e crescimento para o Bico do Papagaio

quinta-feira, 11 de julho de 2019 às 08:52
Momento em que o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei que cria a UFNT – Divulgação

BICO DO PAPAGAIO – Mais de 40 municípios presentes nas Regiões Norte e Bico do Papagaio serão diretamente beneficiados com a criação da Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT), afirma a Associação Tocantinense de Municípios (ATM). Ao lado de parlamentares do Tocantins, o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou o Projeto de Lei 5274/16 nesta segunda-feira, 08, e com isso institui a criação da UFNT.

O início da UFNT se dá por desmembramento da Universidade Federal do Tocantins (UFT), que possuí polos em Araguaína e Tocantinópolis. Ambos os campis serão desmembrados e passarão a compor a nova estrutura da UFNT, que terá polos ainda nos municípios de Guaraí e Xambioá. Pela proposta, a nova universidade terá sede e foro no município de Araguaína e acolherá também estudantes do Maranhão e Pará.

“O Ensino Superior estará cada vez mais consolidado nessas regiões estratégicas do Tocantins, ao ampliar o ingresso de jovens e adultos na Universidade”, destacou o presidente da ATM e prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano. Por sua vez, a prefeita de Xambioá, Patrícia Evelin, comemorou dizendo que “a criação da nova Universidade irá promover de modo significativo melhorias na oferta do ensino superior e construir um modo diferenciado de se formar profissionais para o Mercado de Trabalho”, disse.

Com a integração dos campis já existentes, todos os cursos e os alunos, assim como os cargos do quadro de pessoal, serão transferidos automaticamente para a nova universidade. Na Câmara Federal, a Comissão de Educação aprovou emenda para que sejam criados outros dois campis, em Xambioá e Guaraí.

Em 2016, o governo estimou que o custo mensal para a implantação da UFNT seria de R$ 893 mil, ao passo que o custo anual totalizaria R$ 11,9 milhões.

A criação da UFNT foi aprovada na Câmara Federal em novembro de 2018.

-- Publicidade --

Comentários no Facebook