Vereador Cícero Moutinho é reeleito presidente da Câmara Municipal de Augustinópolis

sábado, 26 de janeiro de 2019 às 13:02
Presidente e vice-presidente da Câmara de Augustinópolis. Foto: Paulo Palmares / VB

 Alan Milhomem / Voz do Bico

AUGUSTINÓPOLIS – Depois da Sessão Solene de posse dos 10 suplentes de vereadores na Câmara Municipal de Augustinópolis, foi realizada Sessão Extraordinária para eleição da Mesa Diretora. Com chapa única, o vereador Cícero Moutinho foi reeleito presidente. Elias Madeira é o novo vice-presidente. Joacy Costa e Solange do Donizete são os primeiro e segundo secretários, respectivamente. As sessões ocorreram pouco depois do meio dia deste sábado (26).

Publicidade

A votação foi com voto aberto e todos os vereadores disseram sim. Votaram a favor Antônio Reinaldo Ferreira Gomes (Reinaldão), Josenildo Ferreira Barbosa (Lagoa), Daniel Walisson de Jesus Sousa, Frederico Guedes de Oliveira, Elias Madeira Pereira, Solange dos Santos Araújo (Solange do Donizete), Marconcélio Assunção da Silva, Jarbas Fernandes de Andrade (Cabeção), Edimar Cardoso de Oliveira (Edmar do Artur) e Joacy Costa. Todos eram suplentes e tomaram neste sábado após decisão da Justiça de afastar por 180 dias e decretar a prisão preventiva de 10 vereadores nessa sexta-feira (25).

Após posse e eleição da mesa diretora, todos os vereadores falaram e lamentaram a prisão e o afastamento dos vereadores que são investigados por cobrar propina para aprovar projetos da prefeitura. Os novos parlamentares agradeceram os votos da população e disseram que vão honrar a confiança depositada neles pelos augustinopolinos.

O vereador Cabeção, além de agradecer a população e os familiares, reclamou por não fazer parte da Mesa diretora. Ele disse que ainda pela manhã o nome dele constava como vice-presidente, mas ficou sabendo quase na hora da votação que o nome dele tinha sido substituído por outro parlamentar. “Se é para começar, vamos começar certo e não com traição”, afirmou o vereador.

Cícero Moutinho foi o último a discursar. Ele também foi o único vereador que não foi preso na operação da Polícia Civil nessa sexta-feira em Augustinópolis.

“Eu lamento o corrido e me sinto envergonhado do que estava ocorrendo na Câmara de Vereadores de Augustinópolis. Eu digo agora a todos os vereadores empossados que o voto de cada matéria do Executivo aqui dentro dessa Casa é responsabilidade de cada um de vocês. Eu não estou como presidente para negociar voto, vender voto ou comprar voto de qualquer vereador. Eu não faço esse papel. Eu quero que essa Câmara ganhe força e seja independente”, disse.

Dez novos vereadores de Augustinópolis. Foto: Paulo Palmares / Voz do Bico

Operação Perfídia

Os suplentes tomaram posse após a Polícia Civil deflagrar, nessa sexta-feira (25), a Operação Perfídia que investiga a cobrança de propina por parte dos vereadores de Augustinópolis para aprovar projetos da p\refeitura. Dez dos 11 vereadores tiveram a prisão decretada. Nove já estão presos. Os dez também foram afastados das funções públicas por 180 dias.

Segundo a Polícia Civil, os valores pagos eram proporcionais ao grau de influência dos vereadores e variavam de R$ 1,5 mil a R$ 8 mil por mês. As investigações apontam que o esquema movimentava cerca de R$ 40 mil por mês. A suspeita é que o esquema estaria funcionando desde 2017 e já teria causado um rombo de R$ 1,5 milhão aos cofres públicos. Na decisão que decretou a prisão dos 10 vereadores, o juiz Jefferson Asevedo destaca que os parlamentares Neguim da Civil e Luizinha lideravam o esquema de recebimento de propina e recebiam os maiores valores.

Tiveram a prisão decretada e foram afastados dos cargos os seguintes vereadores: Maria Luisa de Jesus do Nascimento (Luizinha), Antônio Silva Feitosa, Antônio Barbosa Sousa, Ozeas Gomes Teixeira, Francinildo Lopes Soares (Nildo Lopes), Angela Maria Silva (Angela do Rapadura), Marcos Pereira de Alencar (Marquim da Igreja), Wagner Mariano Uchôa (Vaguim do Hospital), Edvan Neves Conceição e Antônio José Queiroz dos Santos. Este último está foragido.

-- Publicidade --