Hospital Regional do Sudeste do Pará alerta sobre os perigos da automedicação

segunda-feira, 6 de maio de 2024 às 14:51
379 Visualizações

Além da dependência, da intoxicação, e dos efeitos adversos o uso prolongado de medicamentos não indicados pode gerar problemas graves para a saúde. – Fotos: Ascom HRSP

MARABÁ – Em alusão ao Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos, celebrado ontem domingo, 5, o Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, realizou na última sexta-feira, 3, uma série de palestras educativas para os pacientes da instituição, com objetivo de conscientizar sobre os riscos associados ao uso indiscriminado de medicamentos.

Publicidade

Flávio Marconsini, diretor-executivo do hospital, destacou que a iniciativa faz parte do projeto “Saúde em Foco”, que oferece informações relevantes sobre saúde à comunidade. “Nosso objetivo é promover uma cultura de cuidado e prevenção, orientando a comunidade sobre como usar medicamentos de forma segura e eficaz”, explicou.

Durante as palestras, os participantes receberam orientações sobre os perigos da automedicação, a importância da prescrição médica, o armazenamento correto de medicamentos, o descarte adequado de medicamentos e outros temas relevantes. Dados do Conselho Federal de Farmácia (CFF), indicam que 77% dos brasileiros se automedicam, o que reforça a necessidade das ações educativas.

Telma Souza, moradora de Marabá, referenciada para realizar exames de Raio-x no hospital, destacou que as ações educativas ajudam a conscientizar a população sobre o uso adequado de medicamentos. “Com frequência, devido à falta de informação, muitas pessoas recorrem à automedicação, o que pode, tornar mais graves problemas de saúde. É importante seguirmos as orientações dos profissionais de saúde e respeitar as prescrições medicamentosas”, enfatizou.

A unidade de saúde pública do Governo do Pará, é gerenciada pelo Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia (ISSAA), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Alerta

As ações educativas conduzidas pelo serviço de Humanização da Unidade do Governo do Pará, como parte integrante do Projeto “Saúde em Foco”, contaram com a participação dos profissionais de farmácia da instituição, que percorreram recepções, corredores e unidades de internação, alertando sobre os perigos da automedicação.

O farmacêutico Deyvison Paixão, coordenador da farmácia do hospital, enfatizou que a automedicação não apenas pode mascarar sintomas, dificultando diagnósticos precisos, como pode levar a sérias complicações de saúde, como reações adversas, intoxicações e até mesmo resistência bacteriana a determinados medicamentos.

“É fundamental compreendermos que a automedicação é um risco que devemos evitar a todo custo. Consultar um profissional de saúde e seguir suas orientações é o caminho mais seguro para preservar nossa saúde e bem-estar”, explicou.

O profissional ainda sublinhou que os principais medicamentos utilizados na automedicação são os anti-inflamatórios e analgésicos, frequentemente empregados para alívio dos sintomas de dor e febre. “A busca pelo alívio imediato pode custar caro à nossa saúde a longo prazo”, alertou.

Os farmacêuticos do Regional em Marabá apontam quatro riscos da automedicação. São eles:

*Dependência*: Alguns medicamentos têm potencial para causar dependência física ou psicológica, o que pode levar a problemas sérios de saúde e bem-estar;

*Efeitos adversos*: A automedicação aumenta o risco de efeitos colaterais indesejados e perigosos, especialmente quando os medicamentos são usados de forma inadequada ou em combinação com outros;

*Interações medicamentosas desconhecidas*: Sem orientação profissional, as pessoas podem inadvertidamente combinar medicamentos que interagem de maneira negativa, potencializando ou diminuindo seus efeitos, o que pode ser prejudicial à saúde;

*Riscos de intoxicação:* A dosagem inadequada de medicamentos, seja por erro de cálculo ou ignorância dos efeitos, pode levar a intoxicações graves, com consequências que variam de danos ao fígado e rins até risco de vida.

(ASCOM HRSP)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook