Regional do Sudeste do Pará promove conscientização sobre Doença de Chagas

sábado, 13 de abril de 2024 às 09:44
328 Visualizações

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a enfermidade afeta mais de 6 milhões de pessoas no mundo. – Fotos: Ascom HRSP

MARABÁ – No próximo domingo, 14 de abril, é celebrado o Dia Mundial de Combate à Doença de Chagas. Em Marabá, o Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), realizou nesta sexta-feira (12), palestras de conscientização com o objetivo de informar os pacientes sobre a doença, seus sintomas, formas de prevenção e tratamento.

Publicidade

Flávio Marconsini, diretor-executivo do hospital, destacou que a iniciativa promovida pelo serviço de humanização da unidade faz parte do projeto ‘Saúde em Foco’, que visa oferecer informações relevantes sobre saúde à comunidade. “A prevenção começa pelo conhecimento. Estamos dedicados a conscientizar nossos usuários para que, em conjunto, possamos combater as doenças e promover uma vida mais saudável”, explicou.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença de Chagas afeta mais de 6 milhões de pessoas em todo o mundo, a maioria na América Latina, onde 30 mil novos casos e 10 mil mortes são relatados a cada ano.

A enfermeira Odaires Holanda, que atua na unidade do Governo do Pará, esclareceu que a doença é transmitida principalmente pela picada do inseto conhecido como barbeiro, causada pelo parasita Trypanosoma cruzi, que pode resultar em uma infecção crônica que, se não tratada, pode levar a complicações graves, como problemas cardíacos e digestivos.

“O parasita pode ser transmitido pelas fezes do barbeiro durante sua picada. Coçar a área infectada permite que as fezes entrem no corpo por mucosas ou feridas na pele. Os sintomas incluem febre, inchaço e vermelhidão no local da picada, além de dores musculares e articulares. A doença pode permanecer sem sintomas por anos, destacando a importância do diagnóstico precoce,” ressaltou.

Prevenção – A profissional também enfatizou formas de prevenção da doença, que incluem medidas simples, como o uso de telas em portas e janelas para evitar o inseto, aplicação de inseticidas em locais onde o inseto possa se abrigar, como frestas e rachaduras nas paredes, manter a limpeza e higiene das áreas domésticas, e utilizar repelentes.

“É importante também consumir alimentos não contaminados e tomar precauções como lavar frutas, verduras e legumes. Evite carne malcozida, especialmente de animais suspeitos de infecção. Busque tratamento médico ao detectar sintomas, pois há terapias disponíveis, incluindo medicamentos e acompanhamento médico para evitar complicações”, ressaltou a enfermeira.

O usuário Carlos Lima, morador de Bom Jesus, referenciado para exame de ressonância magnética na instituição, participou das palestras de conscientização na unidade de saúde pública do Governo do Pará. “Nunca tinha recebido informações tão detalhadas sobre o assunto. Agora, me sinto mais preparado para cuidar da minha saúde e também para compartilhar esse conhecimento com minha comunidade”, enfatizou.

Daiane Uszynski, analista de humanização do hospital, destacou a importância das palestras educativas realizadas nas recepções de exames e ambulatórios da instituição.

“É gratificante observar o impacto positivo que essas ações de conscientização geram, não apenas no conhecimento individual, mas também na capacidade de disseminar cuidados e prevenção em nossas comunidades. Nosso compromisso em avançar com essas iniciativas permanece firme, visando uma sociedade cada vez mais consciente e saudável”.

(ASCOM HRSP)

-- Publicidade --

Comentários no Facebook